terça-feira, 29 de setembro de 2015

Zane - Patrícia Rossi




Eu fiquei um pouco confusa com esse livro. Não me entendam mal, ele não é ruim, é até legalzinho, mas é tão parecido com os livros escritos por autores americanos que às vezes eu ficava em dúvida sobre a nacionalidade da autora. Até alguns erros de tradução mal feita, o livro tem. Por exemplo:

"Percebendo que ela estava próxima de 'vir', ele começou a fodê-la com a língua..."

Qualquer pessoa com um conhecimento básico de inglês e acesso a um dicionário sabe que "come" pode ser traduzido como vir ou gozar dependendo da situação, e no caso do trecho acima, ficou bem claro que ela estava gozando e não vindo de lugar algum.

Também, o uso do "Nop", foi a primeira que vir usar esse termo, normalmente é "Nope", até aí tudo bem. Pode ser que eu desconheça o termo, afinal eu não sou conhecedora de todos os termos utilizados, mas tendo em vista que a estória é contada em português, acredito que um simples não, era suficiente.

Certo, agora vamos ao que me incomodou com o enredo. Primeiro, a forma como eles abordaram a situação com a tal da Camille, nessas horas eu tive certeza de que a autora é brasileira, pois apenas um brasileiro pra demonstrar tamanho desrespeito pela força policial. Primeiro foram as ligações e mensagens que a QUinn recebeu e não avisou a ninguém. Até aí, tudo bem, é burro, mas parece ser um traço característico de heroínas de romance. No entanto, Quinn é atacada em seu próprio apartamento, a pessoa jogou pedras quebrando os virdos da janela e deixou um bicho morto na porta com um bilhete ameaçador dentro, e ainda ficou no carro na frente do imóvel esperando ser vista pela vítima. Mas o que me deixou muiiiiito pasama, foi a reação dela. Ela liga pra polícia? Não, ela liga pro Zane. E, eu me perguntando porqueeeee Senhor? E esse padrão, se repete muitas e muitas vezes durante todo o livro, essa Camille faz as coisas mais escabrosas e ninguém leva à polícia, pq ela filha de um juíz e nada vai acontecer. Olha iso pode até ter um fundo de verdade, mas eles tinham provas, testemunhas, e o mínimo que eles devia fazer era um registro de tudo que acontecesse pra usar em problemas futuros. Essa parte da hist´roia foi completamente não plausível pra mim.

Tem uma outra coisa, que tipo de mulher adulta gosta de Britney Spears? #peloamordenossoPadimPadeCiço.